MAIS DA METADE DA POPULAÇÃO DE CAXIAS DO SUL ESTÁ IMUNIZADA CONTRA A FEBRE AMARELA

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) esclarece que Caxias do Sul não tem registro de casos de febre amarela em humanos, ao contrário do que está ocorrendo em outras localidades do país. Como a cidade não é considerada área de risco para a doença, não há necessidade de uma corrida às Unidades Básicas de Saúde (UBSs) em busca da vacina.
Segundo dados da Vigilância Epidemiológica, em um mês, a demanda pela imunização contra a febre amarela aumentou mais de 500%. Em dezembro passado, eram aplicadas, semanalmente, entre 110 e 160 doses, aproximadamente. Nesta semana, cerca de 825 pessoas foram vacinadas.
A diretora da Vigilância em Saúde, Maria Ignez Bertelli, afirma que não há motivo para esta urgência em se vacinar. Rotineiramente, a dose já é ofertada à população, em todas as UBSs, conforme o calendário de imunização. Prioriza-se as crianças na idade recomendada (a partir dos nove meses) e as pessoas ainda não vacinadas que vão viajar para áreas de risco ou países que exigem o Certificado Internacional de Vacina contra Febre Amarela. A dose disponível em Caxias do Sul sempre foi a usual e nunca a fracionada, ou seja, não é necessário se vacinar mais de uma vez.
Desde 2017, o Ministério da Saúde, seguindo uma recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), indica a dose única da vacina contra febre amarela para a população. A nota informativa nº 94/2017 emitida pelo Ministério explica: “A dose de reforço não é mais recomendada por considerar que a imunidade protetora desenvolve-se dentro de 30 dias para cerca de 99% das pessoas que recebem uma dose da vacina”. Desde então, a vacina deve ser aplicada apenas uma vez, garantindo proteção para toda a vida.
Segundo Maria Ignez, desde 2009, Caxias do Sul faz parte da área de recomendação de vacinação contra febre amarela. Naquela época, foram encontrados macacos com o vírus na área rural da Serra Gaúcha. Os macacos também são vítimas da doença e se comportam como sentinelas, sinalizando a presença do vírus, transmitido por mosquitos, em determinada região.
“Em 2009, realizamos uma grande campanha no município e 56% da população foi vacinada, totalizando 234.155 doses aplicadas neste período. Posteriormente, a vacina entrou no Calendário Nacional para todas as crianças, a partir dos nove meses, e para a população em geral”, recorda a diretora. “Monitoramos a aplicação e, conforme a série histórica, de 80% a 89% das crianças menores de um ano têm recebido a sua dose. Além disso, as vacinas também são feitas para outras faixas etárias, o que nos indica que a maior parte da população está imunizada”, conclui Maria Ignez.
A circulação do vírus da Febre Amarela no município também é acompanhada por meio da análise laboratorial dos casos de macacos encontrados mortos na região. Em dez anos de monitoramento dos animais, não houve nenhum caso positivo.
Serviço para vacinação
A vacina contra a doença está disponível em todas as UBSs. A aplicação é feita nas quartas-feiras, com exceção da UBS Parque Oasis, que realiza esse trabalho nas sextas-feiras. Não é obrigatório apresentar o Cartão SUS para fazer vacinas, apenas um documento de identidade. Para quem vai viajar para áreas de risco, recomenda-se que a dose seja aplicada pelo menos dez dias antes, tempo necessário para que a imunização confira a devida proteção ao indivíduo.
A diretora Maria Ignez orienta que as pessoas devem guardar sempre o registro de suas vacinas, pois trata-se de um documento comprobatório. As doses aplicadas nas UBSs ficam registradas na segunda via do Cartão ou no sistema de informação, este último desde 2016.
A imunização contra a Febre Amarela é indicada a partir dos nove meses de idade até os 59 anos. Não é recomendada para crianças menores de nove meses, gestantes, pessoas com câncer ou outras doenças imunodeficientes ou em uso de medicações imunossupressoras. Idosos a partir dos 60 anos precisam apresentar indicação médica para recebê-la. Mães que estão amamentando crianças menores de seis meses devem interromper a amamentação por dez dias, após fazer a vacina. Estas pessoas devem se vacinar somente se forem para área de risco iminente.
Em caso de dúvida, o usuário pode entrar em contato com a UBS do seu bairro ou com a Vigilância Epidemiológica, pelos telefones: 3290.4558; 3290.4560; 3290.4564; 3290.4570.
1