VACINA CONTRA O ROTAVÍRUS ESTÁ EM FALTA EM TODO O PAÍS

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) informa que a vacina contra o rotavírus, que é aplicada em duas doses em bebês menores de um ano, está em falta. Problemas nas embalagens, durante o processo de fabricação, resultaram no vazamento do produto e levaram a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a suspender todos os lotes do estoque nacional, provocando a falta da vacina em todo o país. Conforme a nota técnica do Ministério da Saúde (Nota Informativa nº 17-SEI/2017-CGPNI/DEVIT/SVS/MS), não há prazo para regularização do estoque.

 Segundo o Calendário Nacional de Vacinação, a primeira dose da imunização contra o rotavírus deve ser aplicada nos bebês a partir de 1 mês e 15 dias até, no máximo, 3 meses e 15 dias. A segunda dose pode ser administrada a partir de 3 meses e 15 dias até 7 meses e 29 dias, mantendo-se intervalo mínimo de 30 dias entre a primeira e a segunda doses. Passado o prazo da criança receber a primeira dose, ela não poderá iniciar o esquema vacinal contra o rotavírus e, portanto, não poderá receber a segunda dose.

A rede privada de saúde oferece uma vacina contra o rotavírus, mas de composição diferente da ofertada pela rede pública. Ela protege contra cinco tipos de rotavírus e é aplicada em três doses. A vacina do Sistema Único de Saúde é monovalente, ou seja, protege contra o mais frequente tipo de rotavírus e é feita em duas doses.

Fonte:Maria Ignez Bertelli, diretora da Vigilância em Saúde